Amy, chorei uma porção de lágrimas de mãe por você
por Gica Trierweiler Yabu



Gica Trierweiler Yabu | Acredito que uma filha acolhida é uma filha capaz de assumir suas escolhas e lidar com elas.

Sempre achei Amy Winehouse uma piada. Estranha demais, drogada demais, problema demais. Então assisti ao documentário que resume sua carreira em duas horas de um coquetel a base de talento nato, profundidade, sombra, doença e música.

 

Amy é pesado porque assim foi a existência da protagonista. Senti muita coisa enquanto estive ali, mas definitivamente o instinto materno chamou a bronca pra si. Que pena que Amy e sua mãe jamais se conectaram. Que pena que seu pai a via como uma fonte de renda. Que pena que ela foi buscar acolhimento na sombra de um cara muito mal intencionado. Que pena que toda sua exuberância nunca encontrou um porto saudável. Que pena que Amy passou por tudo isso sozinha. Que pena ela ter morrido na solidão, no escuro.

 

Se pudesse voltar no tempo, daria um abraço na mãe dessa menina e diria pra ela olhar pra filha. Olhar do jeito que a gente aprende na terapia: deixando as expectativas e julgamentos em ponto morto, anulando o ruído ao redor. Olhar até sentir o que pulsa lá dentro do outro e usar essa conexão para assistir o brotar de algo maravilhoso. Pra mim, essa é a maior e mais complexa missão materna: a de olhar, ouvir, sentir e assistir minha filha para que sua exuberância se manifeste no mundo.

Exercer essa função diariamente consome muito, principalmente porque ela se sobrepõe ao prático-higiênico do dia-a-dia de alimentar, levar para a escola, arrumar isso, buscar aquilo, dar banho, responder duzentas e catorze perguntas por minuto e você sabe mais o quê. Isso sem contar o trabalho da mãe que também é profissional e esposa e motorista e cidadã e mulher e amiga e bla bla bla. Mas não importa: nada disso é mais importante que guiar minha filha no seu desenvolvimento pessoal.

Acredito que uma filha acolhida é uma filha capaz de assumir suas escolhas e lidar com elas. Acredito que uma filha acolhida é uma filha que aprende a se amar e, por isso mesmo, aprende a amar os demais – especialmente aqueles que a respeitam por sua grandiosidade humana. Acredito que uma filha acolhida jamais vá sofrer de distúrbios alimentares, muito menos será menor que vícios. Acredito que uma filha acolhida queira preservar sua vida.

Amy, chorei uma porção de lágrimas de mãe por você. Deixo meu abraço póstumo e peço infinitas desculpas por ter engrossado o coro dos imbecis que não fizeram absolutamente nada por você enquanto havia tempo.

Gica Trierweiler Yabé – Founder na empresa Glíteres e SÓCIA FUNDADORA na empresa Beaba https://www.facebook.com/gicatrier
Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *