Nasce bebê operado no útero materno após cirurgia pioneira



O evento clínico aconteceu no Hospital Santa Catarina de Blumenau, Estado de Santa Catarina

No último dia 06 de julho nasceu o Pietro;  com bom peso, bastante vitalidade, não tendo sido necessária a admissão à UTI neonatal. O bebê foi operado no período pré-natal porque era portador de malformação da medula espinhal lombar (mielomeningocele). Terceiro filho do casal, a gestação evoluía sem intercorrências até que na 22a semana, quando os exames ultrassonográficos demonstraram o defeito de fechamento da medula espinhal e coluna lombar.

Segundo os médicos Dr. Daniel Bruns e Dr. Charles Kondageski, integrantes da equipe multidisciplinar de cirurgiões, no momento do diagnóstico existiam duas possibilidades: aguardar o curso natural da gestação e parto para corrigir o defeito no nascimento, ou realizar o procedimento de correção ainda no período intra-uterino.

Os especialistas explicam que ao corrigir precocemente, estudos recentes demonstram evidentes benefícios ao feto e nascituro: diminuição considerável da instalação de hidrocefalia com consequente redução da necessidade do uso de válvulas, desaparecimento do descenso do cerebelo ao canal medular e potencial melhora da performance motora.

A cirurgia ocorreu no dia 16 de abril de 2018, com 23 semanas de gestação, quando a Sra Luciane e o feto foram submetidos ao delicado procedimento cirúrgico que consiste na exposição e abertura uterina guiadas por ultrassom, posicionamento do feto e correção microneurocirúrgica do defeito da medula espinhal.

A equipe e os procedimentos

A cirurgia, realizada no Hospital Santa Catarina de Blumenau, constou de uma numerosa equipe multidisciplinar: Dr. Daniel Bruns (Cirurgião obstetra especializado em medicina fetal) e pelo Dr. Charles Kondageski (Neurocirurgião Pediátrico),  os cirurgiões Dr. Rafael Bruns e Dr. André Bradley, os neurocirugiões Dr. Cezar Guiotoku e Dr. Humberto Schroeder, além dos anestesiologistas Dra. Dinamene Nogueira e Dr. Leonardo Blum.

Após as 5 horas do delicado procedimento, mãe e feto foram monitorados por 48hs na Unidade de terapia intensiva, apresentando excelente evolução pós-operatória. A Sra. Luciane recebeu alta no 4 dia após a cirurgia. Mãe e feto passaram bem durante o restante da gestação, até a realização da cesárea que trouxe o Pietro ao mundo (Pietro nasceu na cidade de Jaraguá do Sul-SC).

A cicatriz cirúrgica de Pietro, nas suas costinhas, estava completamente fechada, bem como não havia sinais clínicos sugestivos de hidrocefalia. O Pietro será agora acompanhado por equipe multidisciplinar (pediatria, neurocirurgia, urologia e ortopedia) para todos os tratamento que porventura venha a necessitar.

Introdução Mielomeningocele

A mielomeningocele, ou espinha bífida, é uma malformação da medula espinhal que ocorre entre a terceira e quarta semana de gestação, acometendo 1 a cada 1000 nascidos no Brasil, incorrendo em sérias complicações para a mobilidade das pernas e pés, controle da bexiga e ânus, bem como graus variados de déficits cognitivos. O exame de ultrassom pré-natal proporciona o diagnóstico do disrafismo espinhal durante o segundo trimestre gestacional e desde então o tratamento já pode ser planejado.

A cirurgia corretiva pode ser feita imediatamente após o nascimento, mas quando realizada no período gestacional (cirurgia intrauterina), as crianças tendem a desenvolver menos frequentemente hidrocefalia ativa, bem como apresentam expectativa de melhor desempenho motor quando comparadas às crianças operadas após o nascimento. Quanto mais precocemente for realizado o procedimento, menores serão os danos à medula espinhal exposta ao líquido amniótico, observando-se o limite para abordagem a idade gestacional de 26 semanas. As crianças submetidas ao tratamento precoce podem ter suas limitações bastante amenizadas, sendo que no período pós-natal é recomendado o acompanhamento multiprofissional.

O serviço de cirurgia fetal, em conjunto com o serviço de neurocirurgia do Hospital Santa Catarina, dispõe do expertise e estrutura necessária para a realização destes delicados procedimentos. Após a cirurgia de correção, as pacientes continuam o pré-natal até o momento do parto, geralmente cesáreo. Ao nascimento, os neonatos são examinados do ponto de vista multidisciplinar e acompanhados evolutivamente até a adolescência pela nossa equipe de pediatras, neurocirurgiões pediátricos, urologistas pediátricos, ortopedistas pediátricos, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais.

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *